Menos erros de raio-x reduzem o risco de câncer, tempo de espera e custos

Evan McLaughlin 07 April, 2020

 

menlookingatultrasound

Em ambientes hospitalares e clínicos, a tomada de decisões corretas não reduz apenas os custos de trabalho duplicado e de ineficiências de processo, bem como produz melhores resultados para os pacientes. Imagine precisar fazer um raio-x extra porque o primeiro capturou o pé errado. Mesmo que seja o membro certo, e se eles o capturarem do ângulo errado?

 

artwheeler

Art Wheeler

 

Nos 14 anos em que ele trabalhou com melhoria da qualidade da assistência médica, Art Wheeler viu esse e muitos outros cenários de melhoria de processos. Mais recentemente, como gerente de suporte à decisões relacionadas a serviços de melhoria da qualidade em uma das maiores redes de assistência médica pediátrica independente e sem fins lucrativos do país, ele foi o estatístico principal, além de mentor e coach do programa Six Sigma Black Belts e Green Belts, gerentes de programa e líderes de projeto por 8 anos e meio.

Especialista em controle estatístico de qualidade, uma de suas principais responsabilidades era garantir que os dados fossem coletados de maneira sólida e garantissem as melhores chances de detecção da significância estatística de quaisquer melhorias relatadas. Ele também desenvolveu os gráficos e avaliações para as seções de análise dos artigos publicados correspondentes e respondeu às perguntas ou comentários dos revisores para ajudar a garantir a aceitação.

 


Aprenda rapidamente sobre controle estatístico da qualidade: Obtenha o guia de 4 etapas


 

Lembra do cenário de raios-X extra que mencionamos anteriormente? Art atuou como consultor em um estudo de raios-X duplicados, que constatou que cada varredura extra curta à unidade operacional entre US$ 150 e US$ 300 adicionais e os pacientes em geral aguardam mais tempo. Um estudo de 18 pronto-socorros pediátricos dos Estados Unidos mostrou que os erros de radiologia são o terceiro evento mais comum nas redes de pesquisa de emergência pediátrica, e os erros humanos, e não problemas de equipamentos, causaram 87% deles.

Além de reduzir os erros, a equipe também foi incentivada a atingir sua meta de zero erros em duas clínicas, o que possibilitou a redução da exposição à radiação ao longo da vida de indivíduos, o que diminui o risco do desenvolvimento de câncer. Esforços como esse fizeram parte do programa “Zero Hero” do hospital – eles mediam o período e o número de casos envolvidos com o objetivo de reduzir o número de incidentes a zero e registrar por quanto tempo mantiveram zero incidentes.

Mas nem tudo estava assim tão claro. Eles precisavam entender o contexto por trás dos raios-X duplicados para fazer melhorias reais. Com uma revisão retrospectiva de um período de 14 meses em duas instalações, eles sabiam que havia boas e más razões por trás dos mais de 170 raios-X duplicados que foram registrados. Cada radiografia duplicada foi classificada como…

  1. Sem erro, onde eles estudaram intencionalmente a partir das mais variadas visões;
  2. Localização incorreta, quando a queixa inicial do paciente não correspondia à radiografia inicial (por exemplo, o pé errado mencionado acima);
  3. Lateralidade incorreta, quando está do lado errado; ou
  4. Radiografia desnecessária, um problema conhecido quando um fisioterapeuta clínico pedia várias radiografias sem a análise e a avaliação de um médico.

O gráfico de Pareto abaixo mostra que o erro mais comum durante o período de 14 meses foi de local incorreto.

graph-minitab

A equipe de melhoria da qualidade tomou medidas para atingir sua meta de 0% em ambas as clínicas, o que incluiu a realização de pesquisas com pacientes e familiares durante o registro para ajudar na documentação das partes do corpo que precisavam ser radiografadas e se elas haviam já haviam sido radiografadas antes.

A radiografia desnecessária também era um problema conhecido quando um fisioterapeuta clínico pedia várias radiografias sem a análise e a avaliação do médico. Foi feita uma intervenção para corrigir isso, tornando os médicos responsáveis por fazer seus próprios pedidos de radiografia no prontuário eletrônico.

De maneira geral, essas etapas melhoraram a comunicação entre médicos, fisioterapeutas clínicos, técnicos em radiologia, pacientes e familiares e contribuíram muito para alcançarmos melhores resultados para todos os envolvidos.